fev 022018
 

Autor – Ivar Jacobson, tradução Anderson Barcat

            Para diminuir o “gap” entre Negócios e TI nós precisamos fazer com que joguem no mesmo time.  Eu comparo este time com um time de futebol, no qual os participantes não são só especialistas mas também generalistas – todos podem chutar a bola quando convocados.

O “time” Negócios+TI  deveria funcionar de uma forma similar. Apesar de ter funções especializadas, todos devem contribuir para alcançar o objetivo comum, afim de que todos possam ser bem sucedidos.

Mas eles fazem isto? Se eles fossem um time de futebol, provavelmente eles não ganhariam muitos, ou nenhum, jogo.  Estendendo esta analogia com o futebol, a área de negócios muitas vezes age como o proprietário ausente que quer que a equipe vença, mas não quer tomar o seu tempo para estar diretamente envolvido.

Continue reading »

dez 092013
 

Dada a importância da relação entre o Gerente de Projetos e Analista de Negócios em uma equipe de projeto , como uma organização pode nutrir essa relação fundamental  e , no processo, garantir um melhor desempenho da equipe ?

Aqui estão seis estratégias básicas que você pode empregar :

1 – Treinar os Gerentes e Analistas na metodologia e nos papéis.  Cada um deve compreender mutuamente as responsabilidades e concordar na forma de obter resultados.

2 – formar equipes de duas pessoas, de gerentes e analistas que possam trabalhar juntos mais de uma vez , para que eles possam conhecer os pontos fortes e fracos de cada um.

3 – Recompensar a colaboração dos gerentes e analistas que apresentam as melhores características de seus respectivos papéis.

4 – Escolher os gerentes e analistas que compreendem naturalmente o valor do comprometimento e que trabalham ativamente em conjunto para gerenciar riscos.

5- Desenvolver uma mentalidade onde os profissionais se comuniquem muito para garantir que nada seja perdido.

6- Por fim, prestar muita atenção para as interdependências. Umas das principais áreas estratégicas da sobreposição entre as funções do gerente e analistas, por exemplo, é a área de definição e gestão de escopo.  Esses profissionais devem estar profundamente envolvidos em discussões como esta que podem parecer simples, mas podem fazer estragos em cronogramas e orçamentos.

 

Documento original publicado por   Cathy Cecere – modernanalyst.com  – Tradução Livre – Anderson Barcat